domingo, 4 de julho de 2010

MISTÉRIOS DE MIM



Lêda Selma



Pelo quarto,
meu vulto polarizado,
meu perfume (feitiço de cobra)
e um poema sem segredos.

A ferida vermelha
– bem aqui do lado esquerdo –
fechou a dor e degredou
buscas e sonhos embrionários.

No roupeiro,
o vestido de linho
e a camisola de seda
dizem tudo de mim...

Nenhum comentário:

Postar um comentário