terça-feira, 6 de julho de 2010

FRAGMENTOS POÉTICOS

Lêda Selma

Ah! do amor, tudo quero...
Um homem cheirando a estrelas,
que imortalize o efêmero,


É disso que gosto:
de pescar no céu do rio
e encher o barco de estrelas...


Mesmo os corações blindados,
. as palavras ferem como baionetas.


Esta clareira aqui, sob o peito,
tem vazios, valas, lonjuras
e fósseis de amores tardios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário