sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Diário da Manhã - 25/12/2011

È NATAL E TUDO SE REPETE

Lêda Selma

Chegou o Natal, mais um Natal e, com ele, ritos e mitos. Em seu bojo, algumas esperanças caducas, desejos senis e a paz, em sua brancura vermelha, apenas, um vulto baço perdido nas trincheiras que, no decorrer dos tempos, amotinaram ódios, disputas, megalomanias, loucuras mundo afora. Apesar de tudo, o Natal ainda ostenta o símbolo da fraternidade e da fé que encena a ceia com Cristo, o aniversariante do dia, mas, na realidade, quase sempre, o menos festejado e presenteado. Enquanto isso, o comércio comemora seu “Papai Noel” particular e gordalhufo.

Com o Natal, os corações se abrem (e os espíritos...?!) e, em polvorosa, desenham sonhos luminosos, expectativas instigantes, momentos especiais. Afinal, Papai Noel é um mago de cabeleira, barba e promessas alvadias e envelhecidas, mas de vigor sempre aceso. E, a cada ano, com crise ou sem crise, o comércio se alvoroça e dá um jeitinho de enfeitiçar crianças e adultos que, em transe, se preparam para o banquete das compras, enquanto os problemas, numa fuga em massa, recolhem-se em asilos provisórios, pois nenhum desmancha-prazeres é bem-vindo em tempos de festejos natalinos. Todavia, o acinte da miséria permanece deitado sobre as calçadas, expondo, à sociedade, homens-molambos carentes de dignidade e de cidadania, banqueteando-se com a fome, com a exclusão, com o vazio das mãos estendido ao sabor do sol e das estrelas, as únicas luzes de seu Natal.

Natal é tempo de impossíveis, de neve em pleno verão, de renas tropicais, de bons velhinhos saracoteantes e incansáveis, de chaminés em espigões, enfim, é tempo de bolsos mágicos, de dribles desconcertantes do comércio sobre os incautos consumidores, de alegrias e realidades mascaradas. Apesar de tudo, é Natal, e Natal instiga sentimentos, encontros, comemorações, esperanças, promessas, embora, muitas vezes, o aniversariante do dia, o Menino Jesus, nem seja lembrado. Que se repense isso neste dezembro natalino.

Fascina-me o Natal e todos os seus ritos e mitos. É quando tiro os sapatos, desmancho as tranças de minha criança interior e deixo-a patinar, planar, lambuzar-se de estrelas, de Sonho de Valsa, e traquinar no reino da fantasia, sem limites. Espero os presentes – encanta-me adivinhá-los, desembrulhá-los, sabê-los meus –, unjo-me com as cores e luzes da árvore natalina e divirto-me com as surpresas deliciosas da noite. Mesmo que as lembranças, enxeridas como sempre, cutuquem a saudade para que me desassossegue. Aí, o vazio ameaça abocanhar-me, porém, o feitiço do Natal hipnotiza-me com um sonho de faz de conta: meu filhote, ali, a festejar comigo cada momento.

Muitas são as caridades acontecidas no Natal. Hospitais, creches, abrigos... recebem doações de toda a espécie e de muitas mãos e, assim, participam da alegria momentânea que caracteriza a fugacidade das festas de fim de ano. Isso é muito pouco. Afinal, não é só no Natal que a fome, a desesperança e o sofrimento clamam por socorro. Que se doem alegria, alimento, oportunidade, trabalho... durante o ano e não, apenas, no Natal.

Apesar de tudo, dezembro exala alegria e enfeita-se com as vestes natalinas para cultuar uma tradição que tem a idade de Cristo. Liturgias, ceias, presentes... é Natal! E quero também muito amor, bens espirituais, pessoas solidárias, amadas, batalhadoras. Quero crianças carregando sonhos, sem a remela nos olhos que lhes embaça o futuro. Quero jovens livres das drogas, das grades, quero mães sem filhos assassinados ou desaparecidos, quero jornais sem letras de sangue, quero sol no dia seguinte e saudades sem ferrões. Ah! e quero também presentes!

Por falar em presente, o meu, um poema:

Volta a Estrela,
florejam os gestos
e no abraço da prece
restos de riSOS
com marcas da veste
do Cristo que chega.

Sonhos se alongam,
o Menino renasce
em rostos sem nomes,
em rastros descalços
de cristos-meninos,
cristos com fome.

2 comentários:

  1. Excelente, como sempre. Um texto reflexivo que alerta, adverte, ensina e cutuca em seu sentido mais lato, atingindo a raíz. Embora haja solidão e miséria estendidas nas sarjetas, ao escárnio da vida, sob a luz das estrelas, à espera de guarida, há poesia, saudade e encantamento que nos tornam cativos de seus escritos.
    Amei! No ensejo, votos de próspero Ano Novo!
    Beijos da Genaura Tormin

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, amiga, minha muito querida Genaura! Tomara sua noite natalina tenha sido ungida de bênçãos, e que elas envolvam 2012, tornando-o iluminado. Beijo de carinho. Lêda

    ResponderExcluir