sábado, 5 de maio de 2012

Diário da Manhã - 6/5/2012

BANDIDO SEM CHORO?!

Lêda Selma

– Pura perda de tempo, doutor...
– Perda de tempo? Como, perda de tempo, indivíduo?
– De tempo. De trabalho. De autoridade... Chega de repetição: prende, solta, prende, solta... Brincadeira de polícia e bandido?
– Comigo não tem brincadeira, ouviu?
– Se até com os federais tem, imagine com os estaduais... Acorda, doutor!
– Que atrevimento! A PF tem feito um trabalho digno e de utilidade social.
– E eu não sei? Os federais não vacilam em serviço, para azar dos bandidos, os de pedigri lustrado, de terno e gravata, que, por sinal, não têm mais sossego. E eu lhe pergunto: tanto corre-corre, grampeia, escuta, prende, e aí, dá no quê?! Não acaba em pizza à moda habeas corpus?
– Na verdade, não posso desmenti-lo... Mas que cada um cumpra o seu dever! Você está detido, pronto!
– O doutor quer me prender? Mas aviso: será por pouco tempo. O senhor prende, ele solta! O habeas corpus, o mais competente milagreiro dos novos tempos. Os bandidos graúdos não vivem mais sem ele. Um perfeito facilitador da classe, doutor, benza Deus!
– Pelo visto, você está bem informado...
– Bandido que se preze... Além do mais, tenho amigos influentes, infiltrados em tudo, especialistas em várias modalidades criminais.
– Quer me intimidar, é? Amigos influentes...
– Uma cachoeira deles. E não é sandice ou lereia, hem?! É coisa do demo... Assustei o doutor?! Minhas torres estão ligadas, chego lá de asa delta, o delegado não duvide! Quer me prender, prenda! Mas tenho certas exigências!
– E, porventura, bandido tem querência?
– O doutor tá desatualizado. Bandido graduado manda, não pede! E se o senhor bobear, peço transferência.
– Que petulância! Transferência...?
– Para Brasília! Regalias aos montões! Além do quê, melhor, perto dos homens... Os “figurões” que o digam...
– E bandido merece regalia, sujeito?
– Não merece, exige, é diferente, doutor! No meu caso, já fiz uma lista modesta...
– Vou é encaçapar você agora mesmo, isso sim!
– Eu fico, mas tenho cá minhas manias...
– Bandido com manias... Ai, meu Deus, quando criança, certamente, dei umas “sardinhas” no bumbum do meu anjo da guarda, só pode!
– Pois é, delegado: a cama tem de ser king size – preciso de muito espaço pra espalhar essa fartura de músculos, ó! –; o colchão de mola com uma camada generosa de espuma por cima; edredom hipoalergênico, alcochoado com plumas de silicone; travesseiro anatômico, em ‘v’ – é muito bom pra coluna –; lençóis com 200 fios egípcios; ar condicionado e, se a umidade relativa do ar estiver baixa, umidificador em plena ação, já!
– Olhe aqui, indivíduo, chega de deboche! Quer gastar minha paciência, quer?!
– Sua paciência, não. O dinheiro do bobo, isto é, do povo, sim, dinheiro pouco e sempre ludibriado pelos famigerados impostores...
– Tramele essa matraca, senão...
– Senão o quê, doutor?! Só por que não sou empresário, nem político, não tenho nextel, nem moro no tal condomínio, é? Pois saiba que, se quiser, entro no padrão, logo que sair daqui.
– É, você já sabe do esquema...
– E olhe, se não fosse a impertinência desses federais desmancha-prazeres, já tinha providenciado uma casinha, daquelas modestas de lá, afinal, se existo, posso me casar; se me caso, devo ter filhos; se for menina, devo lhe preparar o futuro e, nada melhor, um imóvel por lá mesmo, é mais fácil; assim, evito correria para minha futura filhinha quando do seu possível enlace. Não sou bandido sem choro, tenho prestígio com o “homão”, com o “maior”, hem? Amigo serve pra quê? Pra ministrar o que for preciso, ora essa! Quero é relaxar, afinal, quem procura dor, acha! Mas será o Benedito?!
– Já chega de trocadilhos sem eira nem beira.
– Sem eira nem beira, delegado? Me poupe! Sou esperto, assunte: se vacilarem, num bom goianinglês, I marco ‘one’ voo, em avião de um amigo, e me abalo para o paraíso final: a residência da dinheirama da turma. As ilhas dolarizadas, doutor! Uai!

3 comentários:

  1. Bandido sem choro?!
    Querida prima e poetisa Lêda Selma, “Bandido sem choro?!” é o retrato fiel de nossa triste realidade. De impunidade. De descaso. De desgoverno. De incentivo à criminalidade. De tudo, enfim.
    É ... uma confirmação de que esse não é um país sério.
    Apesar disso, acredito que uma boa parte dos habitantes desta terra tenta fazer do Brasil um país decente.
    Bjs, Iracema

    ResponderExcluir
  2. Veja a hora, prima, e eu ainda trabalhando, por isso, só um 'oi!' para agradecer-lhe o costumeiro carinho, pois estou exausta. Beijocas, querida. Lêda

    ResponderExcluir
  3. Excelente texto!
    Embora jocosamente e com maestria expõe toda a nossa realidade!
    É isso mesmo!
    A cachoeira contaminou o povão.
    Meu Deus!
    Que país esse?
    Aonde vamos chegar!
    Mas, além disso, quero elogiar a feitura do texto, a sua estrutura, os trocadilhos, maneira tão sua de impregnar humor que nos faz cativos até a última frase.
    Simplesmente, amei!
    Beijos da Genaura Tormin

    ResponderExcluir