domingo, 11 de setembro de 2011

Diário da Manhã - Dia 11/9/11

ESTRATÉGIA EXITOSA

Lêda Selma

– Alô, poeta, sou eu, aquela que vive de mal com a vida e que já não sabe o que fazer com tanta solidão e com tanto excesso de nada. Aquela que só consegue sonhar dormindo e, apenas, de vez em quando. Aquela para quem a alegria virou as costas e a esperança cruzou os braços. A poesia? Ah! lavou as mãos há muito tempo, abandonou-me! Sou eu, amiga, a proscrita do amor, a renegada da felicidade, aquela que possui mil e uma inutilidades. Sabe quem é, não? Claro que sabe! Com tantos dados do meu perfil, impossível não me identificar. É necessário dizer que, um dia, fui também poeta? Escute, você estava dormindo? Estou incomodando? Pode dizer...

Meio zonza, a ouvinte-poeta tentou entender o quase incompreensível. Reconheceu a voz, o repertório, as sutilezas truncadas mas não, o significado do telefonema àquela hora da madrugada, uma madrugada sisuda, de estrelas em debandada e lua cochilando displicente. Nesse clima, as palavras bocejaram algumas dúvidas e sacolejaram a inércia da recém-acordada:

– Sei, sim, quem fala. Não sei é o que você está falando. Pode me traduzir esse blá-blá-blá sem risco e sem rabisco?

– Uma grave e terminal crise, amiga. Existencial, poetal, dialetal.

– Mas a esta hora, mulher?! Não dava para a tal crise esperar um pouco mais, pelo menos, até amanhecer? Crise folgada a sua, hem?! Chega, instala-se, telefona, atordoa a madrugada, interrompe um sonho gostoso, acorda sua dona... Crise sem-cerimônia, espaçosa e malvinda!

– E muito séria, pode acreditar. E é seu o privilégio de assistir à sua última apresentação, ao seu último ato. Com direito a final trágico e tudo o mais.

– Privilégio?! Você chama de privilégio ter o sono detonado em plena madrugada?! Esse privilégio é transferível? Bem, desentale de vez toda essa lereia e me deixe dormir!

– Tudo bem. Você é o receptáculo de minhas últimas palavras: deixo a vida para entrar na eternidade! Adeus, amiga-poeta!

– O eufemismo, nem um pouco original, significa agir por conta própria na passagem desta para a outra?

– Sim. Vou desistir da caminhada. Minhas ilusões não têm mais preparo emocional para um trajeto tão difícil.

– E você já escolheu o modo de fazer a travessia?

– Já. E sem chance para a lei da gravidade mudar de ideia ou de rumo. Nem para a poesia pedir arrego.

– Tenha paciência! Que conversa mais sem cós nem barra, a estas horas, criatura?! Um feito desse porte carece de preparação, de ritual, de criatividade... Cadê seu veio artístico, poético, ora!?

– O quê?! Não entendo seu deboche num momento tão dramático...

– Dramático é acordar-me, é abusar de meus ouvidos e de meu sono. Escute, deixe isso para amanhã, assim, haverá mais tempo para a organização de um desfecho poético e inesquecível, à altura do seu merecimento. Improvisação? Plágio? Nem pensar! Use seu talento, E preste atenção: proíbo-a de defuntear-se nesta madrugada, ouviu? E agora me dê trégua, me deixe dormir, afinal, preciso acordar bem descansada para prestigiar seu velório, sem fazer feio. E, tomara, o sol chegue com um riso amarelo para recepcionar sua alma...

– Onde está sua sensibilidade de poeta? Quanto descaso!

– Sensibilidade, não sei. Sono, este sim, está aqui, pendurado em meus olhos, a coçar minha indignação, a desenhar profundas olheiras em meu rosto e rugas em minha paciência. Você sabia que poeta dorme, hem!?

– Estou chocada com sua frieza, com sua falta de solidariedade, você não gosta de mim...

(Íngua de virilha! Não me faltava mais nada! Será que, além de Édipo e Electra, existe também complexo para torturar amiga? – pensou, lá com as penas de ganso de seu travesseiro, antes de voltar ao assunto). Com frieza ou sem frieza, repito: você está proibida de morrer até que encontre uma forma menos lugar-comum de fazê-lo. Amadureça sua inspiração, lustre a imaginação, espere o dia acordar e, então, mãos à obra! Ah! e só após as dez horas, naturalmente! Sim, porque se Deus ainda não lhe mandou o convite, por que a pressa? Ele pode até se zangar por causa de seu enxerimento. Melhor sua alma arranjar uma boa desculpa, senão... Boa-noite!

Uma estratégia exitosa, apesar de polêmica! Mas, como diria minha mãe, “quem não vai pelo amor, vai pela dor”.

Um comentário:

  1. OI, LÊDA, SEMPRE GOSTO TANTO DO QUE ESCREVE, DE COMO ESCREVE. OBRIGADA POR COMPARTILHAR POR MEIO DO BLOG!

    ResponderExcluir