sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Diário da Manhã - Dia 13/11/11

NÃO RIAS DE MIM, ARGENTINA!

Lêda Selma


Uma semana em Buenos Aires – buenos y fríos aires! – apreciando as belezas e o clima portenhos. O dia da chegada, a princípio, pareceu-me inoportuno, pois Cristina Kirchner pleiteava reeleição à presidência da Argentina. No entanto, tudo transcorreu no ritmo rotineiro, e, do processo eleitoral, nem indício. A não ser pela “Lei Seca”. Nada de bebida durante o dia, só após às 20h, apregoavam. Porém, à moda ‘jeitinho brasileiro’, ao final da tarde, alguns barzinhos e ‘empanaderías’ liberaram, de forma velada, assim, debaixo da lei, a bebida alcoólica. E quem estava sedento por ela, saciou a vontade, bem à vontade.

Parênteses: de mamando a caducando, do inculto ao intelectual, por lá, não se usa presidente, é presidenta mesmo, e para qualquer mulher que ocupe a função de presidir, não importa o quê. Tampouco, ouvi sandices modelo “eleganta”, “doenta”, “pacienta” e outras aberrações tão usadas por aqui, como forma de comparação, com o fito único de ridicularizarem o uso legítimo do vocábulo feminino (e não é que já infestaram de novo minha caixa com textos com tal conteúdo?!). Pois é, los hermanos não praticam essa modalidade de asneira, essa bobajada sem eira nem beira, ao contrário, mostram-se civilizados, bem informados e, sem dúvida, respeitam e acreditam nos dicionários. Bem como os franceses, é bom que se diga.

Bela, elegante e pomposa, como sempre, Buenos Aires! Avenidas de pernas esguias e coxas largas, assediadas por uma arquitetura exótica, eclética, que abarca variados estilos (colonial, neoclássico, art nouveau, art déco, moderno), cuja história esculpe personagens, e cuja memória desperta patriotismo. Um rosto de sol, incrustado no azul e branco da bandeira, tremula altivo, e doura a dignidade e o orgulho argentinos, sempre expostos. Exacerbada, a índole nacionalista desse povo.

O tango, seu genuíno patrimônio cultural. Emocionante cada espetáculo, pela beleza plástica, pela presença cênica, pelas coreografias, pela leveza dos pares. Momentos plenificados na sensualidade. Os toques, o olho no olho, os corpos colados a roçarem intimidades, pernas entrelaçando-se em malabarismos instigantes, contorções voluptuosas, embevecidas pela música, enfim, uma conjunção de arte e de paixão. O tango tem alma rubescente que incandesce ao primeiro contato. Ah! e aquela dançarina linda, porte de rainha, vestido vermelho com fenda enorme a lhe devassar a perna e o caminho das flores, ao som de La Cumparsita, enroscando-se, lascivamente, em seu parceiro... As fantasias da plateia também rodopiam entre os passos do casal.

A carne saborosa e suculenta, de estirpe nobre, assim como o Dulce de leche, tombados pelo gosto dos que se curvam às suas delícias. O sorvete artesanal da Fredo (de doce de leite, claro!, em suas muitas variantes), um desafio, já não fosse um acinte, à disciplina dos diabéticos e à dieta dos gordalhufos. Por falar em gordalhufos, Maradona, outro patrimônio nacional.

O peso do peso argentino, nem tão pesado assim, um detalhe interessante, embora alguns comerciantes tentem engambelar o turista com o intuito de um ganho a mais. Todavia, fato desconcertante e injurioso, o derrame de notas falsas. Centenas habitam os bolsos dos taxistas. Inacreditável. E o pior: todos estão cientes disso, já se tornou fato corriqueiro. Os próprios hotéis alertam os turistas para os cuidados necessários. Quase ninguém fica imune a tal agressão. A estratégia é afrontosa: o taxista recebe a nota, troca-a sem ser percebido, devolve-a ao passageiro, sob o argumento de que é falsa, e exige-lhe outra. Desse modo, cobra a corrida duas vezes e, de sobra, o lesado fica com a nota falsa.

Algo incompreensível: por que a polícia e o governo fazem vista grossa a esse tipo de crime? É sabido aqui, lá, acolá, que pesos falsos, em fartura, fazem parte da rotina dos condutores de táxis e, mesmo assim, a impunidade grassa majestosa nas ruas de Buenos Aires, incentivando-os a uma prática criminosa que enodoa a honra argentina. Por que tal conivência? A cumplicidade, explícita na falta de ação das autoridades competentes, é intrigante. O turista não merece tamanho desrespeito. Portanto, não rias de mim, Argentina!

Nenhum comentário:

Postar um comentário